APLICABILIDADE DA ACUPUNTURA NA MEDICINA EQUINA 

A acupuntura vem se destacando cada vez mais como técnica de diagnóstico e tratamento na medicina esportiva equina. O fato de ser uma técnica não invasiva, de baixo custo, que proporciona boa analgesia e eventualmente melhora de performance, a coloca como uma das técnicas mais promissoras dentro da medicina esportiva equina. Além disso, o número de profissionais interessados, instituições de ensino e pesquisas vem crescendo de forma significativa, o que favorece ainda mais o seu desenvolvimento e aplicabilidade dentro da área de medicina equina. O objetivo desta revisão é discutir o uso da acupuntura na medicina esportiva eqüina como mais uma ferramenta terapêutica e propedêutica que visa melhorar o desempenho dos animais atletas.

0

APLICABILIDADE DA ACUPUNTURA NA MEDICINA EQUINA

APPLICABILITY OF ACUPUNCTURE IN EQUINE MEDICINE

APLICABILIDAD DE LA ACUPUNTURA EN MEDICINA EQUINA

Jean Guilherme Fernandes Joaquim[1]

Resumo

A acupuntura vem se destacando cada vez mais como técnica de diagnóstico e tratamento na medicina esportiva equina. O fato de ser uma técnica não invasiva, de baixo custo, que proporciona boa analgesia e eventualmente melhora de performance, a coloca como uma das técnicas mais promissoras dentro da medicina esportiva equina. Além disso, o número de profissionais interessados, instituições de ensino e pesquisas vem crescendo de forma significativa, o que favorece ainda mais o seu desenvolvimento e aplicabilidade dentro da área de medicina equina. O objetivo desta revisão é discutir o uso da acupuntura na medicina esportiva eqüina como mais uma ferramenta terapêutica e propedêutica que visa melhorar o desempenho dos animais atletas.

Palavras-chave: acupuntura, cavalo, performance, exercício

Abstract

The equine acupuncture has been highlighted even more as diagnostic and treatment technique in the equine sport medicine. The fact of been a non invasive technique, of low cost, with good analgesia and even performance improvement has bring it as one of the most promising technique in equine medicine and rehabilitation. Despite this, the number of interested professionals, schools and research has increased in a significant way, which helps more the development and applicability into the equine medicine. The objective of this revision is to discuss the use of Acupuncture in the equine sport medicine as one more therapeutic and propaedeutic tool, which aim is to improve the performance of the athletic animals.

Key-words: acupuncture, horses, performance, equine sport medicine.

Resumen

La acupuntura ha ido aumentando cada vez más como el diagnóstico y el tratamiento técnico en medicina deportiva equina. Al ser una técnica no invasiva, de bajo coste, proporcionando una buena analgesia y, finalmente, mejora el rendimiento, la lista como una de las técnicas más prometedoras en medicina deportiva equina. Por otra parte, el número de profesionales interesados​​, instituciones educativas y de investigación ha aumentado de manera significativa, lo que favorece aún más su desarrollo y aplicación en el área de la medicina equina. El objetivo de esta revisión es discutir el uso de la acupuntura en la medicina deportiva equina como una herramienta terapéutica y pedagógica que tiene como objetivo mejorar los atletas de rendimiento animal.

Palabras clave: acupuntura, caballo, performance, ejercicio

 

INTRODUÇÃO

A acupuntura (AP) foi recentemente reconhecida como Especialidade pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) através da Resolução 1051/2014, sendo ainda mais utilizada em animais de companhia. Porém, a técnica também é amplamente aplicada na medicina esportiva e na recuperação de síndromes crônicas de equinos, oferecendo aos animais qualidade de vida e longevidade.   Além disso, o Brasil apresenta o primeiro programa de residência em acupuntura da América Latina, na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (FMVZ-UNESP).

A partir da importância e crescente aplicação da AP na medicina equina, esta revisão vem elucidar os clínicos quanto às indicações diagnósticas e terapêuticas da técnica, bem como sua aplicabilidade na fisiologia do exercício, clínica e cirurgia de equinos.

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

– Conceitos gerais de Medicina Tradicional Chinesa (MTC)

Segundo a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), há um conceito de que a energia flui através do organismo ao longo de canais específicos ou meridianos. Estes meridianos fazem a comunicação entre os órgãos internos e a superfície da pele e músculos.

A função desse sistema seria a de manter as funções fisiológicas do organismo. Segundo essa teoria existem 14 meridianos principais, sendo 12 deles bilaterais e correspondentes a cada um dos órgãos internos (Zang Fu), e outros dois que circulam na linha média dorsal e ventral (Vaso Governador e Vaso Concepção, respectivamente). Existem ainda ao longo de cada meridiano pontos cutâneos específicos nos quais a inserção de agulha provoca efeitos neurofisiológicos locais e sistêmicos.

De acordo com McCormick 24e Cain7, o sistema de meridianos pode ser utilizado para diagnóstico e tratamento de patologias em equinos, conceito esse que vem de acordo ao teclado equino proposto por Roger5.

Já o acuponto pode ser definido como um ponto específico da pele, com sensibilidade ao estímulo de pressão, caracterizado fisicamente por baixa resistência elétrica e grande impedância18. Além disso, a maioria dos acupontos estão situados em depressões superficiais nas junções musculares, bem como áreas cutâneas com alta concentração de terminações nervosas livres, plexos nervosos, mastócitos, vasos linfáticos, arteríolas e vênulas¹.

Ainda, segundo a teoria da MTC, as lesões frequentemente observadas nos equinos de esportes poderiam ser resultado de estresse acumulado sobre tecidos enfraquecidos e/ou sistema imunológico debilitado, os quais seriam portas abertas aos fatores patogênicos exteriores como frio, calor, vento, secura e umidade. Fatores patogênicos internos e individuais também poderiam atuar como coadjuvantes na ocorrência destas lesões 8,24.

– Acupuntura em Equinos

Angeli el al. ³ relataram diversos estudos onde há evidencia do uso da Acupuntura em Equinos como técnica curativa e profilática para as afecções mais comuns de cavalo de esporte.

De forma geral a acupuntura pode ser utilizada como técnica isolada ou em associação a outras técnicas como manejo de casco e encilhamento, de forma a se obter ganhos nos índices de desempenho em equinos 14,15. Luckenbill 22 destaca que entre as indicações mais comuns para o uso da Acupuntura em equinos, estão o diagnóstico e o tratamento das enfermidades do sistema locomotor.

Dentre algumas das afecções mais comuns na medicina esportiva equina destaca-se a dor lombar de forma geral, a qual pode provocar uma queda no desempenho atlético de cavalos de esporte8 sendo que estudos e relatos de casos demonstram que a acupuntura pode ser efetiva para o tratamento desta condição 8,21,30.

De forma empírica, alguns pontos são conhecidos por estimular a performance, como Vesicula Biliar 28 (VB28), Estômago 36 (E36), Vesícula Biliar Tuberosidade Coxal (VBtc), Vesícula Biliar 27 (VB27) e Bai Hui. Tais pontos apresentam as seguintes indicações de uso6,31:

  • Bai Hui – tratamento de qualquer claudicação, reumatismo e paralisia dos membros posteriores, artrite da articulação coxo-femoral e excesso de esforço físico.
  • VB28 – tratamento de dor abdominal, ciclo estral irregular e impotência sexual.
  • E36 – indicado para deslocamento dorsal da patela, artrite do tarso, paralisia dos nervos tibial e fibular, imunoestimulação, anorexia, letargia e dor tibial ou fibular.
  • VBtc – considerado ponto de diagnóstico para problemas da articulação tíbio-tarso-metatársica. Utilizado para tratamento de problemas caudais de coluna, associado ao BP13 e ao E30.
  • VB27 – indicado no tratamento de dor lombar, articulação coxo-femoral e fêmoro-tíbio-patelar, e infertilidade.

Entretanto Angeli e Luna4, em um estudo com equinos de corrida comprovaram que o estímulo dos pontos E36, VB27, BH, E30 (Estômago 30) e BP13 (Baço-pâncreas 13) podem melhorar a capacidade metabólica dos equinos.

Além do tratamento e melhora da performance, a AP também tem é uma ferramenta diagnóstica importante, tendo em vista que pontos sensíveis podem revelar alterações do aparelho locomotor em geral27.

Os diagnósticos baseiam-se basicamente nos trajetos dos meridianos, nos pontos de assentimento ou associação, e na teoria dos cinco elementos. Com isto, é possível fazer-se o diagnóstico de lesões tendíneas, ligamentares, articulares, ósseas e musculares em membros anteriores e posteriores 24,25,26, e o diagnóstico de condições específicas como síndrome endócrina, síndrome do herpes vírus e síndrome neurológica7. Em um estudo feito por Chvala et al. 9 os mesmos demonstraram haver uma correlação positiva entre a sensibilidade em determinados pontos de Acupuntura e a presença de herpes vírus em equinos. Escodro10, partindo do mesmo principio de Chvala e colaboradores demonstrou que pontos de acupuntura podem servir de indicativo para animais com EPM, antes da manifestão clínica completa do quadro, sendo uma ferramente de complemento ao diagnóstico sorológico.

– Mecanismo de ação

Estudos recentes tem demonstrado que a acupuntura ou a estimulação elétrica com frequencias determinadas em áreas específicas do organismo podem facilitar e estimular a liberação de neuropeptídeos específicos no SNC (sistema nervoso central), promovendo assim efeitos fisiológicos profundos e até ativando mecanismos de auto-cura12.

Sabe-se que a acupuntura está associada à liberação de β-endorfinas. Estes opióides têm sido identificados na modulação da dor e inibição da transmissão nociceptiva em todos os níveis do sistema nervoso.

Devido ao fato da acupuntura desencadear diversos efeitos fisiológicos em vários sistemas do organismo, poucos mecanismos isolados podem explicar os diversos efeitos biológicos observados28. As pesquisas científicas têm sido capaz de explicar muitos destes efeitos, através da neurofisiologia, teoria humoral e reflexos somato-víscerais 13,16,27.

A teoria neurofisiológica implica na inibição de impulsos conduzidos através de certas fibras nervosas demonstrando a interrelação e dependência da acupuntura do sistema nervoso central e periférico. A teoria humoral se assenta sobre a evidência de que a analgesia induzida pela acupuntura é mediada pelos opióides endógenos. Este mecanismo age em vários locais do sistema nervoso central inibindo a percepção dolorosa e a transmissão da dor da medula espinhal por meio de inibição descendente23.

– Técnicas de estimulação dos acupontos em Equinos

Existem diversas formas de se estímular o acuponto de forma a se desencadear uma série de respostas neurofisiológicas e humorais no organismo para que o mesmo inicie um processo neuromodulação, imunomodulação, analgesia, cicatrização ou neuroestimulação, entre outros. Xie et al. 29 descreveram onze diferentes técnicas que podem ser aplicadas no tratamento da dor lombar em equinos de acordo com a MTC.

A técnica mais comum e mais difundida consiste na inserção de agulhas de aço inoxidável nos pontos de acupuntura na pele. Estas agulhas podem ou não ser reutilizadas e são de fácil acesso, inserção e ainda proporcionam boa resposta terapêutica quando utilizadas por profissional com experiência na área2 .

Outra técnica utilizada é a eletroestimulação neuromuscular por meio de agulhas acopladas a um eletroestimulador – eletroneuroestimulação per cutânea (ENEPC) – que consiste na estimulação elétrica das agulhas com uso de eletrodos acoplados à mesma. A eletroneuroestimulação como o próprio nome diz, além de estimular diversos efeitos biológicos nos pontos de acupuntura associa a eletroestimulação ao efeito da inserção da agulha no tecido. Dessa forma, é indicada para quadros de hipotrofia muscular, denervação, dor, problemas neurológicos em gerais, lesões de nervos periféricos, entre outros 20. Han 13 observou que as diferentes frequencias empregadas na eletroacupuntura promovem distintos efeitos fisiológicos, como liberação de encefalina e b-endorfina com uso de baixas frequencias (2Hz) enquanto que altas frequencias (100Hz) promovem a liberação de dinorfina. Tais informações são de grande utilidade na pratica de analgesia com uso de eletroacupuntura pois determinam a duração do efeito analgesico que se quer obter.

A moxabustão é uma antiga técnica oriental de termoterapia, cujos conceitos encontram embasamento na termoterapia atual usada por fisioterapêutas, cujo mecanismo fisiológico de ação se assenta sobre o mecanismo reológico dos vasos.

Já a LASER acupuntura é uma associação entre o fenômeno biológico já conhecido do LASER, mediado pela emissão de fótons com estímulo dos acupontos na pele. Suas principais indicações são processos álgicos onde o uso de agulha não é possível, processos tendinoligamentares bem como alguns processos onde haja necessidade de cicatrização e reparação tecidual.

O implante de ouro é outra técnica bem interessante e que embora de uso rotineiro em pequenos animais, ainda é de pouco uso na clínica de equinos. Suas indicações estão focadas principalmente nos processos osteoarticulares, como artrites, artroses, osteocondrites dissecantes entre outras11,19.

A fitoterapia chinesa também tem sido aplicada nos equinos com sucesso, sendo que o maior foco são as enfermidades classificadas como de medicina interna. A dificuldade da técnica consiste na necessidade de conhecimento específico e dificuldade de aquisição dos fitoterápicos, os quais, devido à legislação vigente no país, são de dificil obtenção comercial 2,17.

O número de tratamentos necessários depende da doença que está sendo tratada e da cronicidade do problema, e o tempo de cada tratamento pode variar de poucos minutos a cerca de meia hora27.

Os pontos utilizados empiricamente para estimular a performance – BH, E30, BP13 e VB27, estão ligados ao diagnóstico e tratamento das síndromes das articulações tíbio-tarso-metatarsiana, fêmoro-tíbio-patelar e coxo-femoral, classificadas por Cain7. O BH é ponto utilizado para o tratamento de qualquer afecção que envolva a região caudal à cicatriz umbilical 6.

Desta forma, sugere-se que estes pontos tenham efeito anti-álgico nos membros posteriores o que provocaria melhora no desempenho de cavalos atletas, sendo assim conhecidos como pontos de dopagem.

Conclusão

Atualmente existem fortes indícios científicos a respeito dos benefícios do uso da acupuntura em equinos. Tais informações podem ser utilizadas no dia a dia da prática equina, em associação à medicina convencional, de forma a se obter uma resposta terapêutica mais rápida e eventualmente mais eficiente que a comumente empregada em algumas das enfermidades dos equinos atletas.

Referências Bibliográficas

  1. Andersson, S. Mecanismos fisiológicos em acupuntura. In: HOPWOOD, V., LOVESEY, M., MOKONE, S. Acupuntura e técnicas relacionadas à fisioterapia. Barueri: Manole, 2001. cap.09, p.19-41.
  2. Angeli, AL, Joaquim, JGF, Takahira, RK, Bulla, C, Luna, SPL. Effect of Acupuncture, Electroacupuncture and Panax Pseudoginseng in Blood Coagulation Variables in Horses. Vet. Record., v.157, p.662-664, 2005.
  3. Angeli, AL, Joaquim, JGF, Luna, SPL. Acupuntura Aplicada À Medicina Esportiva Eqüina. Rev. Acad., Curitiba, v.5, n.3, p.325-333, 2007.
  4. Angeli, AL, Luna, SPL. Aquapuncture Improves Metabolic Capacity in Thoroughbred Horses. Journal of Equine Veterinary Science., v.28, n.9, p.525-531, 2008.
  5. Aparici, PC. Propedeutica clinica veterinaria. Monografias de Patologia Comparada. Madrid: Imp. Juan Pueyo, 1954. P367-383.
  6. Bosch, EVD, Guray, JY. Acupuncture points and meridians in the horse. 2nd ed. Germany: Sonntag, 1999.
  7. Cain, MJ. Acupuncture diagnosis and treatment of the equine: a five element tutorial. Kentuky: M.J. Cain Books, 2003.
  8. Chan, WW, Chen, KY, Liu, H, Wu, LS, Lin, JH. Acupuncture for general veterinary practice. Journal of Veterinary Medicine and Science, Tokyo, v. 63, n. 10, p. 1057-1062, 2001.
  9. Chvala, S, Nowotny, N, Kotzab, E, Cain, MJ, Van Den Hoven, R. Use of the meridian test for the detection of equine herpesvirus type 1 infection in horses with decreased performance. Journal of the American Veterinary Medical Association, Ithaca, v. 225, n. 4, p. 554-559, 2004.
  10. Escodro, PB. Avaliação da Eficácia da Acupressão para o Diagnóstico da Mieloencefalite Protozoária Eqüina (E.P.M.). Revista Brasileira de Medicina Equina, ano 1, n.6, p. 22-28, 2006.
  11. Frauenfelder, H.; The use of acupuncture beads to control exuberant granulation tissue in equine skin wounds: A preliminary study. Equine vet. Educ. v. 20, n. 11, p. 587-595, 2008.
  12. Han, JS. Acupuncture: neuropeptide release produced by electrical stimulation of different frequencies. V. 26, Issues 1, p.17–22, 2003.
  13. Han, JS. Acupuncture and endorphins. Neuroscience Letters. Volume 361, Issues 1–3, 6, p.258–261, 2004.
  14. Harman, JC. 1993. Backs, performance and acupuncture. In: Annual Convention of The American Association of Equine Practitioners, 39, Lexington, Proceedings…, Lexington, A.A.E.P. p. 337-348. 1993.
  15. Harman, JC. Complementary (alternative) therapies for poor performance, back problems and lameness. In:_____ ROBINSON, N. E. (Ed). Current therapy in equine medicine 4. Philadelphia: Saunders, 1997. P.131-7.
  16. Harman, J. C. The whole-horse approach to acupuncture in performance horses. In:_____ Schoen, A. M. (Ed). Veterinary acupuncture: ancient art to modern medicine. St. Louis: Mosby, 2001. P.515-34.
  17. Henneman, K. Acupuncture and Herbs for Equine Reproductive Problems. In: North American Veterinary Conference, Orlando, Proceedings…, Orlando, p.8-12, 2005. Disponível em: <http://www.ivis.org>. Acesso em: 10.03.2008.
  18. Hwang, YC, Egerbacher, M. Anatomy and classification of acupoints. In:_____ SCHOEN, A. M. (Ed). Veterinary acupuncture: ancient art to modern medicine. St. Louis: Mosby, 2001. P.19-25.
  19. Jaeger, GT, Larsen, L, Soli, N, Moe, L. Two years followup study of gold beads in dogs with hip-joint arthritis. Acta vete. Scand, v. 49, n. 9, 2007.
  20. Joaquim, JGF, Luna, SPL, Torelli, SR, Angeli, AL, Da Gama, ED. Acupuntura Como Tratamento de Doenças Neurológicas em Cães. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 327-334, 2008.
  21. Klide, AM, Martin, BB. Jr. Methods of stimulating acupuncture points for treatment of chronic back pain in horses. Journal of the American Veterinary Medical Association, Ithaca, v. 195, n. 10, p. 1375-1379, 1989.
  22. Luckenbill, B. Introduction to Equine Acupuncture. In: North American Veterinary Conference, Orlando, Proceedings…, Orlando, v.20, p.143-145, 2006. Disponível em: <http://www.ivis.org>. Acesso em: 10.03.2008.
  23. Luna, SPL. Emprego da acupuntura em anestesia. In:_____ FANTONI, D. T.; GAIDO, S. R. C. (Eds). Anestesia em cães e gatos. São Paulo: Roca, 2001, p.337-345.
  24. McCormick, WH. Traditional chinese channel diagnosis, myofascial pain syndrome and metacarpophalangeal joint trauma in the horse. Journal of Equine Veterinay Science. New York, v. 16, n. 4, p. 566-570, 1996.
  25. McCormick, WH. Oriental channel diagnosis in foot lameness of the equine forelimb. Journal of Equine Veterinay Science, New York, v. 17, n. 2, p.317-323, 1997.
  26. McCormick, WH. The origins of acupuncture channel imbalance in pain of the equine hindlimb. Journal of Equine Veterinay Science, New York, v. 18, n. 4, p.528-533, 1998.
  27. Schoen, AM. 1995. Equine acupuncture: incorporation into lameness diagnosis and treatment. In: Annual Convention of The American Association of Equine Practitioners, 41, Lexington, Proceedings…, Lexington, A.A.E.P. P.135-137, 1995.
  28. Steiss, J. E. The neurophysiologic basis of acupuncture. In:______ SCHOEN, A.M. (Ed). Veterinary acupuncture: ancient art to modern medicine. St. Louis: Mosby, 2001. P.27-46.
  29. Xie, H, Asquith, RL, Kivipelto, J. A review of the use of acupuncture for treatment of equine back pain. Journal of Equine Veterinary Science., V. 16, Issue 7, 1996, p.285–290.
  30. Xie, H, Liu, H. Equine back pain: a tradicional chinese medical review. The Veterinary clinics of North America. Equine practice, Philadelphia, v. 19, p. 6-12, 1997.
  31. Ke-rong Feng A Method of Electro-Acupuncture Treatment for Equine Intestinal Impaction. The American Journal of Chinese Medicine (AJCM). Volume: 9, Issue: 2(1981) pp. 174-180.
  1. Prof. Voluntário Serviço de Acupuntura e Dor crônica FMVZ – UNESP/Botucatu e Instituto Bioethicus – Botucatu – SP. E-mail: jeanvet@yahoo.com² Professor Adjunto Curso de Medicina Veterinária –Universidade Federal de Alagoas

 

Artigo Autorizado pela Revista +Equina

você pode gostar também

Pular para a barra de ferramentas