Dente de Lobo – Único elemento dentário do cavalo semelhante ao dente humano

As principais características e particularidades do único elemento dentário do cavalo semelhante ao dente humano: o Dente de Lobo. Pode parecer uma abordagem simples e corriqueira para os colegas que atuam na área da odontologia equina

0

As principais características e particularidades do único elemento dentário do cavalo semelhante ao dente humano: o Dente de Lobo. Pode parecer uma abordagem simples e corriqueira para os colegas que atuam na área da odontologia eqüina, mas posso afirmar que o caso descrito foi a exodontia de Dente de Lobo mais difícil que já me deparei.

O Dente de Lobo se assemelha ao dente humano devido ao fato de não possuir coroa de reserva, sendo composto apenas por coroa e raíz (dente braquiodonte). É o primeiro pré-molar do equino (Triadan 05). A maioria dos dentes de lobo não causa problemas aos cavalos e podem ser perdidos durante a muda e erupção do segundo pré-molar permanente aos 30 meses de idade. Eles normalmente erupcionam imediatamente mesial ao segundo pré-molar (Triadan 06) (Figura 1A), mas também podem estar na posição palatina (Figura 1B), bucal, lingual (Figura 1C), ou a cerca de 1 a 02 cm de distância rostralmente ao dente 06 (Figura 1D). Ainda existem situações em que estão inclusos, sem irromper a gengiva (Figura 1D). Quanto ao tamanho e formato, podem variar desde 02 mm até cerca de 3,5 cm, com formato espicular ou circular e, em casos raros, podem apresentar até um formato molariforme (Figura 2).

Figura 1: Dente de Lobo. A: posicionamento imediatamente mesial ao segundo pré-molar. B: posição palatina. C: posição lingual (seta preta). D: posicionamento 1 a 2 cm mesial ao segundo pré-molar (seta vermelha) e dente incluso (círculo vermelho).

Figura 2: Variados formatos dos Dentes de Lobo

Não são todos os animais que possuem dente de lobo (incidência varia de 40 a 80%) e a maioria apresenta apenas os maxilares. São raros os casos de animais que apresentam os 04 dentes de lobo (maxilares e mandibulares) ou mesmo um elemento dentário supranumerário (Figura 3).

Figura 3: Dente de Lobo supranumerário localizado na hemiarcada

4.

O Dente de Lobo é um dente rudimentar que não possui função na biomecânica da mastigação; além disso, muitas vezes pode causar incômodo em cavalos equitados. Alguns Dentes de Lobo são responsáveis por causar desconforto (dor) ao animal quando a mucosa vestibular é pressionada pela embocadura contra o bordo do dente; são eles: Dente de lobo com mobilidade, deslocados, com tamanho aberrante, fraturados, inclusos e mandibulares.

Nos casos em que a exodontia do Dente de Lobo é indicada, ela deve ser realizada com o animal sob tranquilização em estação, com anestesia local e com a colocação do espéculo oral.

Normalmente são realizados dois pontos de anestesia local: um na ruga palatina ao lado do dente e outro na prega mucogengival, vestibular ao dente de lobo.

No procedimento, a gengiva é elevada ao redor de toda a circunferência do dente, com o auxílio de um elevador gengival reto, até a

inteira sindesmotomia. Quando ele estiver bem solto e com bastante mobilidade ele é tracionado e removido do alvéolo com o auxílio do fórceps.

 

Caso Clínico

Identificação e Histórico:

Égua, Mangalarga Marchador de 06 anos de idade, com histórico de grande reação da cabeça e resistência aos comandos durante o trabalho com vários tipos de embocadura.

Exame Clínico da Cavidade Oral:

Primeiramente foi realizado exame clínico superficial da cavidade oral (incisivos e barra) sem contenção química e sem a colocação do espéculo oral, no qual foi identificada a presença de dois nódulos grandes recobertos por mucosa a cerca de 01 a 02 cm mesial aos dentes 106 e 206, com bastante reação da cabeça na palpação.

No exame clínico detalhado da cavidade oral foram identificados visualmente, na porção maxilar da barra (região do diastema natural), os dois nódulos (Figura 4) e na palpação direta, foi possível sentir no interior dos nódulos, a presença de estruturas rígidas com cantos vivos. Além disso, foi identificada a presença de leves alterações de desgaste dentário e pontas excessivas de esmalte nos pré-molares e molares, sem ulcerações da língua e do vestíbulo.

Figura 4: Exame clínico da cavidade oral. Presença de nódulos bilaterais na região maxilar da barra (círculos vermelhos).

Suspeita Clínica:

A principal suspeita clínica foi presença de Dentes de Lobo maxilares (105 e 205) inclusos e deslocados mesialmente.

Exame Radiológico:

O exame radiológico foi realizado para confirmação da suspeita clínica de dentes de lobos deslocados e inclusos. Nestes casos o exame radiológico permite identificar o tamanho, o posicionamento e o formato dos Dentes de Lobo prévios a exodontia.

Foram realizadas as projeções Dorso-ventral Oblíqua Direita e a Dorso-ventral Oblíqua Esquerda, com a boca aberta, de cada hemiarcada (80 KV com 8,0 de mAs). Na hemiarcada 1 foi observado o elemento dentário 105 incluso com formato circular sem raiz, porém de grande diâmetro e inteiramente envolvido pela estrutura óssea maxilar (Figura 5A). Na hemiarcada 2 também foi identificado um dente de lobo incluso com raiz grande e inclinado em sentido distal (Figura 5B).

Figura 5: Imagens radiográficas das hemiarcadas 1 e 2 de um eqüino. A: dente de lobo 105 incluso com formato circular sem raiz (seta vermelha). B: dente de lobo 205 incluso com raiz grande e inclinado em sentido distal (setas pretas).

Diagnóstico:

Baseado no exame clínico e radiológico foi diagnosticado a presença de 02 dentes de lobo (105 e 205) grandes, inclusos e com formato molariforme.

Tratamento:

Foi realizada a exodontia dos dentes de lobo inclusos e molariformes.

O procedimento foi realizado sob tranquilização com Detomidina (0,02mg/Kg) e Butorfanol (0,02mg/Kg) (neuroleptoanalgesia) e bloqueio local na mucosa sobre os nódulos com lidocaína. A mucosa foi aberta com lâmina de bisturi, o periósteo afastado com osteótomo e a sindesmotomia foi realizada com um jogo de alavancas apicais (Figura 6A e B) e martelo ortopédico.

Figura 6: Exodontia de Dente de Lobo. A:Sindesmotomia com auxílio de alavanca apical do dente 205. B: Exposição da coroa do dente 105 após abertura da mucosa

Após remoção do dente 105, foi realizada a curetagem do alvéolo, cujo diâmetro era de, aproximadamente, 2 cm (Figura 7) e, em seguida, borrifado Rfampicina spray no interior de ambos alvéolos.

Figura 7: Alvéolo do dente 105 após exodontia e subseqüente curetagem.

Devido a grande sobra de mucosa e para diminuir o espaço morto após a exodontia dos dentes inclusos, foi realizada a sutura da mucosa em um único plano (ponto simples separado; Nylon 0) (Figura 8A e 8B).

Figura 8: Sutura da mucosa. A: Sutura com ponto simples separado da mucosa após exodontia do dente 105. B: Sutura da mucosa com ponto simples separado após a extração do dente 205.

O dente 105 era circular com aproximadamente 2 cm de diâmetro (Figura 9A) e o dente 205 possuía 3 cm de comprimento e 2 cm de largura (Figura 9B).

Figura 9: Dentes de lobo após exondontia. A: elemento 105 circular de aproximadamente 2cm. B: elemento 205, com aproximadamente 3cm de comprimento.

No pós exodontia foi realizada aplicação de Flunexim Meglumine 1,1 mg/Kg uma vez ao dia por dois dias e lavagem da cavidade oral com solução antisséptica a base de Digluconato de Clorexidine a 0,2%. A remoção da sutura foi realizada com 10 dias de pós operatório.

Dicas Importantes:

  • A exodontia do Dente de Lobo não deve ser realizada sem a devida tranquilização e a utilização de espéculo oral para evitar acidentes com as alavancas apicais, como a laceração da artéria palatina.
  • Nos casos de Dente de Lobo incluso, o estudo radiológico prévio à extração é importante para se dimensionar o tamanho, o formato e o posicionamento do elemento dentário.
  • Após a extração, a curetagem do alvéolo é necessária para a remoção de pequenos fragmentos de raiz remanescentes.

 

Clique na imagem e baixe o: E-Book: Manual De Limpeza E Desinfecção De Materiais Cirúrgicos (ORTOVET)

você pode gostar também

Pular para a barra de ferramentas