MELHORAMENTO GENÉTICO APLICADO A EQUINOCULTURA

0

O melhoramento genético consiste na seleção de animais com uma determinada característica aptos a reprodução, para aumentar a frequência de genes desejáveis dentro de uma população. Assim, é importante que criadores e pesquisadores atuem em conjunto, e utilizem tecnologias que permitem o estudo do genoma para desenvolver programas de melhoramento eficazes e contínuos (REGATIERI et al., 2012).

Portanto, como em outras criações de animais de produção, a equinocultura deve ser vista como um sistema de produção animal, buscando o máximo desempenho do equino dentro de cada objetivo de criação que ele está inserido. Para isso é de suma importância o estudo da constituição genética do indivíduo, sua população e a transmissão destes genes para as gerações futuras (PROCÓPIO, 2008).

Na equinocultura o melhoramento genético é voltado para as características de conformação e desempenho. Como características de conformação podem ser citadas altura de cernelha, perímetro torácico, largura de peito, entre outras (PETRY et al., 2012). Em relação às características de desempenho são observados rendimentos em saltos, corridas, marcha, provas de adestramento, ou seja, o desempenho atlético do animal.

Para iniciar um processo de seleção primariamente deve-se definir o objetivo da seleção, ou seja, quais características devem ser melhoradas dentro de uma criação específica para que o sistema de produção seja o mais eficiente possível e agregue valor ao animal. Após esta etapa, é definida a forma que os animais que irão à reprodução serão avaliados para se chegar ao objetivo esperado, esse processo é conhecido como critério de seleção e as características presentes no critério de seleção podem ser aquelas objetivadas ou alguma correlacionada (LOPES, 2011).

Outros aspectos levados em consideração no processo de seleção de uma característica são o peso econômico e a facilidade de mensuração. O primeiro refere-se ao impacto que o valor do animal irá sofrer com a melhoria de uma característica e o segundo é um ponto que dificulta muito o processo de seleção nos equinos, isso porque as características analisadas são medidas de escore, premiações em competições, tempo de provas, entre outros fatores que variam em função do ambiente, nutrição, sanidade, treinamento e análise do avaliador (PROCÓPIO, 2008).

A grande dificuldade do melhoramento genético equino está na baixa herdabilidade das características de desempenho, pois elas sofrem maior influência da nutrição e do treinamento dos animais do que do efeito dos genes. Com intuito de ampliar o conhecimento nesta área, novas tecnologias estão sendo estudadas com o objetivo de selecionar aquela que seja específica para aplicação no melhoramento genético de equinos, dentre elas podem ser citados os marcadores moleculares, método de máxima verossimilhança restrita, citogenética e o teste de genoma (BATISTA et al., 2017).

O melhoramento genético na equinocultura é um processo complexo, pois a seleção simples e direta para algumas características quase não é possível. Porém, o estudo dos genes através da seleção genômica em conjunto com as análises estatísticas permite o aperfeiçoamento do melhoramento destes animais. É preciso que no momento da seleção o efeito do ambiente, sanidade, nutrição e treinamento dos animais sejam levados em consideração, e que haja uma aproximação entre as instituições de pesquisas e criadores de equinos.

Texto por: Tainara Luana da Silva Soares, 8° período, Zootecnia, Centro Universitário de Patos de Minas, Patos de Minas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BATISTA, G.M.; DEUS JUNIOR, J.; OZAKI, M.K.; FERREIRA, P.R.O.S. Genética equina: testes genéticos. Rev. Conexão Eletrônica. Três Lagoas, MS. v.14, n.1, 2017.

GIACOMONI, E. H. Estudo da variabilidade genética em quatro raças brasileiras de cavalos (Equus caballus-Equidae) utilizando marcadores microssatélites. 2007. 96f. Tese (Doutorado em Ciências)- Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.

LOPES, F.B. Objetivos e critérios de seleção para dois sistemas de criação de caprinos leiteiros no Brasil. 2001. 130f. Tese (Doutorado em Ciência Animal)- Universidade Goiás, Goiânia, 2011.

PROCÓPIO, A.M. Melhoramento genético aplicado aos equinos. p. 428-442. 2008.

REGATIERI, I. C.; MOTA, M. D. S. HORSE BREEDING PROGRAM: BIOCHEMICAL ASPECTS. Melhoramento genético de equinos: Aspectos bioquímicos. Ars Veterinaria, v. 28, n. 4, p. 227-233, 2012.

você pode gostar também

Pular para a barra de ferramentas