PRINCIPAIS PONTOS ABORDADOS NO EXAME ANDROLÓGICO DO REPRODUTOR EQUÍDEO À CAMPO

0

INTRODUÇÃO

A equideocultura é uma atividade que vem apresentando expressivo crescimento, tanto em número de animais quanto em econômicos, chegando a valores que vão além dos R$ 7 bilhões anuais1. Assim sendo, a demanda por animais que transmitam reconhecidas qualidades genéticas para sua progênie também vem aumentando, e desta forma, o exame andrológico passa a ser uma ferramenta de grande utilidade e importância no que toca o mercado de coberturas e garanhões, já que, ao contrário das outras espécies domésticas eles, com raras exceções, não são selecionados pelo seu desempenho reprodutivo, e sim pelo pedigree, desempenho esportivo e outras características fenotípicas.

O exame andrológico consiste em uma maneira indireta de se estimar a fertilidade potencial de reprodutor. As causas de infertilidade do macho podem ser devidas a sua capacidade copuladora, a agentes patógenos ou a problemas no sêmen. Problemas de comportamento sexual devem ser criteriosamente analisados por interferirem diretamente na fertilidade, assim como doenças venéreas que devem ser controladas por medidas higiênicas apropriadas. Com relação ao exame do sêmen, o que se objetiva é avaliar indiretamente a produção espermática qualitativa e quantitativa, bem como suas condições de armazenamento e transporte no trato genital masculino2.

O exame andrológico é extremamente importante e deve ser realizado sempre que necessário, como: para constatar a puberdade, início da estação de monta, comercialização do reprodutor, quando o garanhão receber um diagnóstico de sub ou infertilidade temporária, utilização de biotécnicas, como criopreservação e refrigeração de sêmen.

Objetivou-se com esta revisão destacar os principais e mais importantes pontos abordados em um exame andrológico (EA) à campo.

 REVISÃO DE LITERATURA

 Identificação

Como qualquer outra ferramenta diagnóstica, o EA deve ser iniciado, pela identificação do animal, que deve ser a mais completa possível e incluir informações como nome do animal, marcações artificiais (ferro candente, frio, tatuagem, chipagem, etc.), número de registro (se houver), idade, peso, raça do animal, e se possível uma resenha equina descritiva, que garanta tanto para o profissional médico veterinário envolvido quanto para os negociantes a autenticidade do laudo e singularidade do animal examinado.

As informações levantadas são importantes, pois algumas patologias do sistema reprodutor podem estar correlacionadas com determinadas raças e faixas etárias. Além disso, sabe-se que a atividade sexual diminui com o aumento da idade do garanhão3.

Anamnese

A anamnese é a base para a confecção de um raciocínio diagnóstico. Os dados obtidos através da mesma irão guiar o exame clínico que se segue e podem revelar a necessidade de realização de exames complementares. A partir daí, o médico veterinário pode traçar uma orientação terapêutica quando necessário. Alimentação, quantidade e regularidade de exercício, doenças sofridas anteriormente, medicamentos aplicados, tempo de descanso sexual, sucesso reprodutivo anterior, tipo de manejo e outros dados podem revelar informações relevantes ao potencial reprodutivo daquele animal4.

Na maioria das vezes motilidade, concentração, morfologia espermática e capacidade de monta e ejaculação são os principais parâmetros para avaliação da capacidade reprodutiva do garanhão, entretanto, deve-se atentar para o fato de a reprodução estar vinculada a fatores extrínsecos como manejo, nutrição, saúde mental e ambiente. É a harmonia dessas características que levam a um resultado satisfatório5.

Animais estabulados por longos períodos de tempo, que ingerem grande quantidade de concentrado e que realizam pouco exercício têm sua qualidade seminal reduzida2, além de estarem predispostos a síndromes metabólicas, como cólicas e laminites6. Esses mesmos animais são propensos a desenvolver comportamentos estereotipados prejudiciais, além de vícios mentais e físicos, como “dança do urso”, aerofagia e coprofagia. Por outro lado, estudos indicam que animais que sofrem exercícios extenuantes durante longos períodos de tempo também tem sua qualidade seminal reduzida7.

É conhecido o fato de que garanhões que são medicados com anabolizantes terem seu potencial reprodutivo afetado, e em muitos casos ocorre uma atrofia testicular resultante do feedback negativo de testosterona8.

 Exame clínico geral

            Consiste em aferição de temperatura e parâmetros respiratório, cardíaco e digestivo, além dos sistemas nervoso e locomotor para garantir a higidez do animal. Também deve ser avaliada a resposta do animal aos estímulos físicos e sensoriais, o estado dos cascos, hidratação, tempo de revascularização e se possível de coagulação. O parâmetro respiratório normal é de 12 a 20 movimentos por minuto, a frequência cardíaca normal é de 28 a 40 batimentos por minuto e a temperatura média deve ser de 37,5 a 38,5°C (parâmetros de um animal saudável em repouso)9. Deve-se também realizar uma avaliação dos aprumos do garanhão para garantir que o mesmo esteja apto a efetuar a monta com facilidade. O garanhão não deve apresentar claudicação ou desequilíbrio ao movimentar-se, e não deve descansar nenhum membro, apoiando-se nos quatro membros igualmente com os mesmos firmemente apoiados no chão. Os cascos devem estar íntegros, sem rachaduras ou apodrecimento, o que pode causar dor ao animal9.

Todas as mucosas do animal devem estar rosadas e um excelente turgor cutâneo, evidenciando sinal de boa hidratação. Um aumento na frequência respiratória ou cardíaca podem evidenciar tentativas do organismo de sair de uma condição de estresse térmico a que o animal está sendo submetido, o que mostra um desconforto que pode prejudicar o interesse do animal pela égua e a monta. Quando uma alteração for detectada, exames complementares devem ser requeridos para descartar a possibilidade de doenças que comprometam a higidez do animal, que possam ser hereditárias (fazendo assim com que o animal precise ser retirado da linha reprodutiva) ou que possam ser transmitidas através do coito para a égua9.

Em alguns casos, quando há suspeita de patologia específica, pode ser realizado exame ultrassonográfico. O mesmo fornece importantes informações sobre a arquitetura interna de órgãos e permite aferições exatas de medidas como largura, altura e comprimento testiculares, informações pertinentes na hora de estimar volume testicular e produção diária de espermatozoides. Além do mais, certas patologias do sistema reprodutor masculino como tumores testiculares e hérnias inguinais podem ser facilmente diagnosticados10.

No caso de um quadro constatado de piospermia ou hemospermia, deverão ser analisadas as glândulas anexas do sistema reprodutor por meio de palpação retal e se possível ultrassonografia e endoscopia.

Avaliação da libido do garanhão

A avaliação da libido do reprodutor equídeo se dá por meio da observação do comportamento apresentado pelo animal quando exposto à égua em cio e o tempo que leva para atingir a ereção e realizar a monta e ejaculação. Machos domesticados são geralmente separados fisicamente dos demais animais da propriedade e sua interação pré-copulatória com as fêmeas não pode ser realizada da mesma maneira que seria na natureza. Assim sendo, alguns poucos comportamentos se alteram, mas os garanhões em sua maioria respondem bem e conseguem cobrir éguas em qualquer época do ano11. A idade recomendada para iniciar a vida sexual de um garanhão é de 3 anos de idade. No entanto, fatores como clima, manejo e alimentação, raça, possuem forte influência nesse quesito11.

O comportamento característico do garanhão quando apresentado à égua em cio inclui cheirar fezes e urina da égua, seguido de um reflexo de Flehmen, urinar e defecar sobre os excrementos da fêmea, vocalizar, arquear pescoço e levantar a cauda, lamber e mordiscar a fêmea e cheirá-la. Um macho em condições ideais de manejo e alimentação pode cobrir entre 30 e 40 éguas por ano em um sistema de monta natural, ou um número maior se utilizado na monta controlada ou monta à cabresto, onde as éguas são rufiadas e o reprodutor é conduzido para realizar a cópula no momento adequado. Garanhões jovens demoram mais tempo para conseguir copular e geralmente apresentam comportamento pré-copulatório mais tímido. No entanto, depois das primeiras coberturas, seu comportamento tende a se normalizar11.

Esse comportamento pré-copulatório inibido no caso de machos jovens, está aparentemente relacionado a uma questão hierárquica. Os potros se aproximam da fêmea com postura submissa e medrosa, e com falta de confiança, o que muitas vezes pode passar por falta de interesse. Esse problema na maioria das vezes se resolve após várias cópulas bem sucedidas, no entanto, alguns machos podem levar meses para adquirir autoconfiança e experiência e outros podem ser “copuladores lentos” para o resto da vida. Garanhões experientes que demoram para copular respondem melhor quando são dados longos períodos de descanso entre coberturas11.

Um cuidado máximo deve ser tomado com relação ao manejo do garanhão em qualquer lugar ou atividade que seja relacionada a cópula, sabendo-se que o manejo possui influência direta na libido do animal . Qualquer frustração sexual (principalmente se ocorrer nas primeiras coberturas, repetidas vezes ou se envolver dor), pode levar a um problema comportamental como agressividade excessiva, problemas de ejaculação, problemas na ereção ou masturbação excessiva11. O garanhão pode passar a associar certos lugares, éguas e manuseadores com experiências negativas, e reagir a eles de maneira igualmente negativa frustrando a monta. Assim sendo, uma pessoa experiente deve manusear o animal e uma atenção especial deve ser dada a qualquer preferência ou demonstração de desconforto ou dor do garanhão, para que medidas cabíveis sejam tomadas e um problema mais grave seja evitado11.

 Exame clínico específico do sistema reprodutor  

Pênis e Prepúcio

Deve-se realizar a avaliação de pênis e prepúcio de maneira visual. Examina-se primeiramente o prepúcio verificando se há presença de ferimentos, edema ou alterações anatômicas. Em seguida deve-se expor o pênis em sua totalidade para que toda sua extensão seja examinada, essa exposição pode ser alcançada aproximando o garanhão de uma égua em cio.

A ocorrência de traumas envolvendo pênis e prepúcio são causas comuns de infertilidade em garanhões. Esses traumas devem ser considerados emergência e ser tratados imediatamente a fim de evitar a habilidade de realizar a monta e principalmente da ejaculação12. O prepúcio não deve apresentar edema, feridas nem alteração em sua conformação anatômica natural. As causas mais frequentes de lesões prepuciais são coices de éguas na hora do cortejo, abrasão por pêlos da cauda, brigas com outros equinos e traumatismos provocados por cercas.

A principal alteração anatômica do prepúcio é a fimose, que consiste na estenose do óstio prepucial e impossibilita a exposição do pênis. Pode levar à retenção de urina e processos inflamatórios na mucosa prepucial. A fimose pode ser uma alteração congênita ou adquirida, sendo consequência de hematomas, neoplasias, granulomas, infecções e traumatismos. A fimose pode ser corrigida através de terapia medicamentosa com corticoides ou ampliação cirúrgica do óstio prepucial dependendo de sua gravidade. A terapia medicamentosa deve ser tentada antes da intervenção cirúrgica no caso de reprodutores, pois a cirurgia pode comprometer o potencial reprodutivo dos mesmos12.

O pênis do mesmo modo não deve apresentar alterações, escara, edema ou hematoma em qualquer uma de suas porções. Uma escara pode ser sinal de carcinoma de células escamosas (que também afeta o prepúcio), habronemose ou de melanoma peniano13.

No caso de carcinoma de células escamosas, as lesões podem se apresentar isoladas ou múltiplas e com tamanhos variados. O carcinoma é mais comum em determinadas raças (Belga, Clydesdale, Shire e Appaloosa) e em animais velhos e de região genital despigmentada e geralmente tem início na glande peniana e progride pelo corpo do pênis. Aparecem como pequenas placas ou como ulcerações superficiais de difícil cicatrização. Essas lesões são semelhantes ao dos papilomas e aos tecidos de granulação no pênis e prepúcio que ocorrem na habronemose. Assim sendo, essas e outras patologias devem ser diferenciadas na elaboração do diagnóstico14.

Existe uma relação entre esmegma e ocorrência de carcinoma de células escamosas, portanto, o pênis e prepúcio devem sempre ser mantidos limpos. A radiação ultravioleta também contribui para a ocorrência de carcinoma, por isso é necessária uma avaliação mais cuidadosa em garanhões com pênis e prepúcio despigmentados13. Várias formas de terapia foram propostas para o carcinoma de células escamosas, entre eles a aplicação de 5-fluorouracil tópico (droga que inibe a formação de DNA, com potencial de toxicidade seletiva para o epitélio displásico) às vezes combinado com debridamento cirúrgico, a cisplatina perilesional, bleomicina, criocirurgia, hipertermia por radiofrequência, imunoterapia, penectomia, ablação da bainha prepucial, postectomia segmentar ou circuncisão, ressecção em bloco do pênis, retroversão do pênis, ressecção do prepúcio e linfonodos inguinais e a uretrostomia. A escolha do tratamento dependerá do local acometido pelas lesões, a extensão e o comprometimento dos linfonodos regionais. Em casos de metástase, a eutanásia é recomendada. Em se tratando de garanhões, a penectomia e a ressecção de bloco não são indicadas, devido à perda da capacidade de ejaculação14.

       Testículos e bolsa escrotal

Assim como no caso da avaliação do pênis e prepúcio, o exame da bolsa escrotal é visual com manipulação manual do órgão para avaliação. Já o testículo deve ser examinado por meio de palpação e ultrassonografia10.

O escroto está localizado na posição inguinal e é levemente penduloso. É composto por duas bolsas distintas, e dentro das mesmas estão presentes testículos, epidídimos, cordões espermáticos e músculos cremásteres15. As duas bolsas escrotais juntamente com seus componentes devem apresentar simetria. Assimetrias evidentes nas bolsas escrotais pode indicar uma patologia como hidrocele, piocele, espermatocele ou hematocele, que se caracterizam por acúmulo indesejado de substâncias na túnica vaginal.

Na palpação, o testículo deve apresentar consistência fibroelástica, indolor, móvel na bolsa e temperatura ligeiramente menor do que a corpórea, não deve apresentar feridas10, bernes, edema ou varicocele (dilatações vasculares). Qualquer alteração no escroto pode levar a uma inflamação dos testículos, aumentando assim sua temperatura e prejudicando a espermatogênese, o que pode levar a uma degeneração testicular que com tratamento pode ser revertida dependendo de sua gravidade.

A mensuração da biometria testicular é um importante componente da avaliação reprodutiva do animal, pois permite o diagnóstico de alterações testiculares e auxilia na predição do potencial reprodutivo e da produção espermática diária4. Devido à disposição horizontal dos testículos do garanhão, o perímetro escrotal não é realizado, mas variantes da técnica, como a aferição da largura, comprimento e altura dos testículos são realizadas com auxílio de um paquímetro ou avaliação ultrassonográfica. Cada testículo deve ser mensurado individualmente e é considerado normal para o padrão da espécie comprimento de 5 a 12 cm (do polo proximal ao polo distal do testículo), largura de 4 a 8 cm (medida latero-medial na porção média do testículo) e altura de 4 a 8 cm (medida ínfero-superior na porção média do testículo)4.

Embora sejam geralmente incomuns, tumores testiculares podem ter um efeito devastador sobre a fertilidade do garanhão. O criptorquidismo parece favorecer o aparecimento de tumores testiculares, especialmente teratomas. O seminoma é o tumor mais comum que acomete garanhões adultos e possui uma rápida taxa de crescimento com um poder de metástase maior no garanhão do que em outras espécies. Orquiectomia (uni ou bilateral) é o tratamento padrão recomendado em casos de tumores testiculares16.

      Epidídimos

A avaliação dos epidídimos também é feita por meio de palpação manual e assim como os testículos pode às vezes ser avaliado por meio de ultrassonografia10.

O epidídimo possui diversas funções como reabsorção dos fluidos nos túbulos seminíferos concentrando o sêmen, transporte, maturação e armazenamento de espermatozoides, eliminação de espermatozoides defeituosos e dar ao espermatozoide a capacidade de mobilidade que ele não possui ao sair do testículo. A cauda do epidídimo é responsável pelo armazenamento dos espermatozoides prontos, e dela sai o ducto deferente, que levará esses espermatozoides à uretra por onde os mesmos sairão no momento da ejaculação.

Deve-se realizar a palpação dos epidídimos para garantir sua presença e verificar se existe sensibilidade ao toque (que não deve existir), forma e localização. A localização correta é a cabeça do epidídimo acoplada ao polo cranial do testículo, o corpo deve se encontrar na face testicular medial e a cauda do epidídimo deve estar acoplada ao polo caudal do testículo. A consistência ideal do epidídimo é fibroelástica e seu tamanho varia com a idade do animal e número de ejaculados10.

Qualquer alteração no epidídimo (seja ela causada por trauma físico ou por patologia) poderá prejudicar a ejaculação, a concentração espermática e a morfologia dos espermatozoides, pois o epidídimo é responsável por sua maturação e motilidade17.

Anel Inguinal

O anel inguinal se caracteriza por um pequeno óstio na região ventral do animal que conecta o abdômen à bolsa escrotal e permite a passagem de artérias, vasos, nervos, músculos e ductos deferentes. Pode ser examinado por meio de palpação manual, palpação transretal e ultrassonografia18.

A alteração mais comum encontrada em garanhões é o encarceramento de alça intestinal no anel inguinal, conhecida como hérnia inguino-escrotal. A hérnia inguino-escrotal caracteriza-se pelo deslocamento de uma porção do jejuno ou íleo para dentro do anel inguinal podendo às vezes deslizar até a bolsa escrotal. Geralmente ocorrem logo após o nascimento ou nos primeiros meses de vida, no entanto, podem ocorrer em animais adultos logo após a cópula, exercícios ou traumas. O animal apresenta dor intensa que começa repentinamente e pode-se observar um aumento em um ou ambos os lados da bolsa escrotal. Os parâmetros fisiológicos decaem rapidamente como resultado do estresse causado pela dor. Intervenção cirúrgica deve ser realizada imediatamente devido ao fato de haver estrangulamento da alça intestinal e possível necrose19. Quando ocorre em animais adultos, na maioria das vezes é irredutível e em vários casos uma orquiectomia uni ou bilateral é recomendada.

    Glândulas anexas

O exame das glândulas anexas do sistema reprodutor masculino deve ser realizado ao se constatar um quadro de hemospermia ou piospermia e se dá por meio de palpação retal, ultrassonografia e endoscopia10. Uma das afecções mais diagnósticadas em garanhões é a vesiculite.

      Exame ultrassonográfico do escroto, testículo, epidídimo e funículo espermático

O uso de exame ultrassonográfico na avaliação da região escrotal e genitália interna de garanhões vêm crescendo há alguns anos. A ultrassonografia em tempo real fornece imagens precisas do parênquima testicular, túnica vaginal, cordão espermático e epidídimo. A utilização da ultrassonografia permite o diagnóstico de patologias dos testículos, epidídimo, cordão espermático e glândulas anexas como tumores testiculares, hidrocele, piocele, espermatocele, hematocele e hérnias inguinais de maneira relativamente simples10.

Atualmente, outras modalidades de ultrassonografia (Doppler) estão disponíveis na medicina veterinária e permitem além de uma avaliação estrutural anatômica, um exame da funcionalidade vascular10

Após a palpação, deve-se aplicar gel em abundância no transdutor ou diretamente sobre a pele do saco escrotal. Em seguida, o transdutor deve ser posicionado na superfície lateral, ventral ou medial, perpendicular ao eixo longitudinal do testículo. Uma imagem de corte sagital do testículo deve ser obtida, evidenciando túnica albugínea, parênquima testicular e veia central. Devem-se avaliar as estruturas e buscar alterações. Um aumento da espessura da túnica vaginal, ou mesmo a presença de grande quantidade de líquido não ecóico no interior da cavidade vaginal é considerada uma anormalidade.  Uma movimentação lenta do transdutor em um posicionamento perpendicular ao longo do eixo principal do testículo permite a visualização de cortes sagitais de todo o testículo. Na medida em que se aproxima do polo cranial do testículo, o transdutor deve ser rotado 90°, de modo a ficar em sentido paralelo ao eixo principal (longitudinal) do testículo. Então, o transdutor deve ser conduzido dorsalmente, no sentido do anel inguinal externo, a fim de serem obtidas imagens do cordão espermático10.      

Colheita de sêmen

Dentre todos os métodos descritos na literatura para colheita de sêmen, o mais prático e eficiente é a colheita utilizando a vagina artificial para equinos, independente do modelo. A vagina artificial deve ser montada com a camisa sanitária e o copo coletor graduado de coloração âmbar ou protegido da incidência de raios solares por alguma cobertura. A temperatura interna da vagina artificial após a adição de água aquecida deve ser em torno de 43 a 45ºC.

A colheita deve ser realizada em um espaço amplo, limpo, sem poeira e livre de barulhos, pessoas e animais que possam distrair o garanhão. Garanhões jovens e com pouca experiência devem ser manejados em área maiores do que garanhões bem treinados. A superfície do solo deve ser bem abrasiva para permitir aderência ao garanhão mesmo quando o solo estiver molhado15.

A colheita com vagina artificial pode ser realizada com manequim natural (égua em cio) ou com manequim artificial, que deve possuir regulagem de altura e angulação para atender garanhões com diferentes estaturas15. A colheita com manequim artificial é mais segura tanto para o garanhão quanto para o veterinário.

Após a colheita deve-se proteger o copo coletor contendo o sêmen da incidência de raios solares, vento e poeira até o transporte para o laboratório (ideal que seja realizada o mais próximo possível do laboratório).

Análise do sêmen

 Exames imediatos

Após a colheita do sêmen o ejaculado deve ser mantido fora da luz e em uma temperatura de 37oC durante a avaliação. O controle da temperatura é especialmente importante em climas mais frios. O sêmen fresco deve ser avaliado quanto ao volume e aspecto (cor e densidade) no próprio copo coletor graduado ou em tubos de centrífuga estéril de 50mL. Um ejaculado normal deve ser branco e opaco. Um aspecto cremoso refere a um ejaculado mais concentrado enquanto que um aquoso a um ejaculado mais diluído. Ejaculados anormais podem ser amarelos (contaminação por urina, células brancas) ou vermelho (hemácias)20.

Motilidade espermática

Dentre os testes realizados na avaliação imediata do sêmen, a motilidade é comumente usada por ser relativamente simples e barata. Apesar de avaliar apenas um atributo que os espermatozoides devem possuir para fecundação, essa técnica é bem indicada ao se avaliar viabilidade do sêmen, pelo fato de sua queda ser acompanhada pelo decréscimo do número de espermatozoides com integridade estrutural21.

Para realizar-se a avaliação da motilidade espermática, deve-se colocar uma pequena gota de sêmen entre uma lâmina e lamínula aquecidas a 37°C (mantê-las aquecidas evita alterações causadas por choque térmico). Realiza-se a observação em microscópio ótico em um aumento de 200 e 400 vezes. A motilidade é analisada seguindo uma escala de 0 a 100% relativa ao número de espermatozoides em movimento na amostra. Essa avaliação é realizada de maneira subjetiva pelo examinador. A motilidade total ideal deve ser superior ou igual a 60%22.

Programas computadorizados estão sendo cada vez mais utilizados, e são mais eficientes em determinar a real taxa de motilidade total e individual pelo fato de registrarem, reconstituírem e mensurarem a trajetória percorrida por cada cabeça de espermatozoide na amostra. O sistema automatizado de análise de motilidade (CASA) permite a avaliação de múltiplas características espermáticas em uma única amostra de sêmen com alta taxa de repetibilidade. A vantagem do CASA é que sua utilização diminui a possibilidade de erros por ser mais objetivo, além de disponibilizar mais informações como a velocidade de trajeto, velocidade progressiva, velocidade curvilínea, amplitude lateral de cabeça, frequência de batimentos da cauda, retilinearidade, velocidade rápida, deslocamento lateral de cabeça e outros10.

Vigor espermático

O vigor espermático constitui a avaliação subjetiva da força e velocidade espermática22, e é avaliado juntamente com a motilidade, sendo classificado em uma escala de 0 a 5. Quanto maior a velocidade maior o vigor. Para o reprodutor equídeo o vigor ideal no sêmen fresco deve ser superior ou igual a 322.

Exames mediato

Concentração espermática

A determinação da concentração espermática em um ejaculado é um dos passos mais importantes na avaliação seminal, e uma das etapas mais negligenciadas. A concentração de espermatozoides no ejaculado é multiplicada pelo volume de ejaculado para determinar o número total de espermatozoides no ejaculado. Conhecer a concentração de espermática por mililitro de sêmen também é importante para diluição do sêmen para refrigeração e o transporte.

Para calcular a concentração deve-se diluir o sêmen com uma solução tamponada de formol-salino/citrato22 na proporção de 1:20 (1:10 a 1:100) (sêmen:formol-salino), e homogeneizar a amostra. Para realizar essa contagem a campo pode se utilizar um hematocitômetro, preenchendo os dois lados da câmara e aguardar 5 minutos para a contagem22. Ao se terminar a contagem dos dois quadrados, a variação entre um quadrado e outro não deve ultrapassar 10%. Caso ultrapasse, a contagem deve ser realizada novamente.

O número total de espermatozoides no ejaculado do reprodutor equídeo deve ser igual ou superior a 5 bilhões, e a concentração espermática esperada nessas espécies normalmente é de 100 a 200 milhões por mL22.

Morfologia espermática

A sociedade de Teriogenologia recomenda o uso da técnica de câmara úmida em microscopia de contraste de interferência diferencial (DIC) para avaliação da morfologia espermática em garanhões23. BRITO et al24 compararam três metodologias para o preparo de lâminas para morfologia: câmara úmida em microscopia de contraste de fase, preparação de esfregaços corados com eosina/nigrosia, e esfregaços corados com coloração de Papanicolau. O percentual de espermatozoides normais foi maior e a proporção de defeitos acrossomais, de cabeça, de peça intermediária, e peça principal, e gotas citoplasmáticas foram menores em amostras coradas com Papanicolaou quando comparadas a metodologia de câmara úmida e eosina nigrosina. A proporção de espermatozoides normais, forma/tamanho anormal de cabeça, outros defeitos de peça intermediária e defeitos de peça principal foram menores e a proporção de caudas dobradas/enroladas e gotas citoplasmáticas foi maior nas amostras avaliadas na câmara úmida quando comparadas com as amostras coradas por esosina-nigrosina. A proporção de espermatozoides decapitados foi maior nas amostras coradas do que na técnica de câmara úmida.

As diferenças de resultados na morfologia espermática entre diferentes métodos de avaliação só pode ser atribuído à introdução de artefatos, baixa resolução / definição de estruturas espermáticas, e a falta de familiaridade do avaliador com o aspecto característico de espermatozoide processado por um método específico24.

A correta classificação e quantificação dos defeitos espermáticos específicos podem fornecer informações valiosas sobre potencial de fertilidade de um reprodutor ou ejaculado, e ajudar a formular um diagnóstico e prognóstico para problemas reprodutivos25. Brito et al24 observaram que o uso da técnica de câmara úmida facilitou a observação de defeitos acrossomais, vacúolos nucleares, e gotas citoplasmáticas, como demonstrado pelo aumento das proporções desses defeitos quando comparado com esfregaços, álem do mais, o uso da técnica de câmara úmida parece reduzir a introdução de alguns artefatos (decapitados), mas aumentaram os outros (caudas dobradas/enroladas).

A técnica de câmara úmida com microscopia de contraste de fase parece ser mais sensível para identificação de espermatozoides anormais de garanhão em relação aos esfregaços corados. Estes resultados apoiaram as recomendações da sociedade de Teriogenologia para avaliação da morfologia espermática de garanhões23.

Uma desvantagem potencial de preparações úmidas é a observação do espermatozoide orientado de forma inadequada, ou seja, os espermatozoides que não estão localizados em nenhum plano da lâmina e, portanto, não pode ser devidamente classificado. Este problema pode ser minimizado através do ajuste o volume da gota de sêmen na lâmina e do tamanho da lâmínula, pressionando suavemente para baixo a lamínula e secando qualquer excesso de sêmen das bordas, e deixando a amostra em repouso por alguns minutos antes do exame24.

Avaliação da morfologia espermática é considerado o maior desafio laboratorial para o técnico em andrologia26. Avaliação da morfologia do espermatozoide é subjetiva e os resultados dependem em grande medida da competência e experiência do avaliador.

De acordo com o Colégio Brasileiro de Reprodução Animal (CBRA) o percentual máximo de defeitos no sêmen equino deve ser de 30% para que se considere o reprodutor apto à reprodução22.

A inserção abaxial não é considerada anormalidade nesta espécie. Essa alteração pode não afetar a fertilidade, pois o espermatozoide tende a se adaptar ao movimento e conseguir um deslocamento compatível com a fertilização22.

CONCLUSÃO

O exame andrológico é imprescindível para a avaliação da capacidade reprodutiva de um garanhão.

O laudo de um exame andrológico nunca é definitivo, pois o animal pode vir a sofrer alguma injúria ou patologia que leve à redução de sua capacidade reprodutiva, tendo portanto, validade máxima de 60 dias.

Tendo isso em vista, o exame deve ser realizado regularmente a fim de que o proprietário possa tomar as devidas providências com relação aos seus animais, caso seja constatado resultado aquém do satisfatório.

Autores: 

Jessica Maresch de AraújoGabrielle Bueno de Almeida Gonçalves Amorim; Ivo PivatoRodrigo Arruda de Oliveira.

Fonte/Autorizado: Revista +Equina Ano 10 N° 59 Maio/Junho

 

 REFERÊNCIAS

1 – LIMA, R.A.S.; OLIVEIRA, R.A. MENDES, C.Q.; JÚNIOR, P.G. Perfil e Tendências da Equideocultura Brasileira. Anais da 49ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia. A produção animal no mundo em transformação. Brasília, 23 a 26 de julho de 2012.

2 – HAMMES, A.M.; PIMENTEL, C.A.; FERNANDES, C.E. Fertilidade em garanhões avaliada através do exame andrológico. Ciência Rural, v.26, p.277-283, 1996.

3 – SQUIRES, E.L.; PICKETT, B.W. Factors affecting sperm production and output. In: McKINNON, A.O.; SQUIRES, E.L.; VAALA, W.E.; VARNER, D.D. Equine Reproduction, 2nd ed. Wiley-Blackwell, 2011, p.1344-1361.

4 – PAPA, F.O.; ALVARENGA, M.A.; DELL’AQUA JR., J.A. Manual de Andrologia e Manipulação de Sêmen Equino – Botucatu, SP, p.33, 2008.

5 – NEILD, D.N.; GADELLA, B.M.; AGUERO, A.; STOUT, T.A.E.; COLENBRANDER, B. Acrosome Function and Chromatin Structure in Stallion Sperm, Animal Reproduction Science, v.89, p.47-56, 2005.

6 – DITTRICH, J.R.; MELO, H.A.; AFONSO, A.M.C.F.; DITTRICH, R.L. Comportamento ingestivo de equinos e a relação com o aproveitamento das forragens e bem-estar dos animais. Revista Brasileira de Zootecnia, v.39, p.130-137, 2010.

7 – JANETT, F., BURKHARDT, C., BURGER, D., IMBODEN, I., HÄSSIG, M.; THUN, R. Influence of repeated treadmill exercise on quality and freezability of stallion semen. Theriogenology, v.65, p.1737-1749, 2006.

8 – BRICEÑO, A.M.; GARCIA, F.; ROSSINI, M.; CAMPOS, G.; BERMÚDEZ, V. Pathology of the testicle after long-term anabolic steroid treatment in a thoroughbread horse from Venezuela. Archivos Venezolanos de Farmacologia y Terapéutica, v.30, p.58-60, 2011.

9 – SPEIRS, V.C. Exame Clínico de Equinos, ed. ArTmed, 1999, 366p.

10 – BRINSKO, S.P; BLANCHARD, T.L.; VARNER, D.D.; SCHUMACHER, J.; LOVE, C.C.; HINRICHS, K.; HARTMAN, D. Examination of the stallion breeding soudness. In: Manual of equine reproduction, 3rd ed, cap.13, 2011, p.176-206.

11 – McDONNELL, S. – Reproductive Behavior of the Stallion. Veterinary Clinics of North America: Equine Practice, v.2, p.535-555, 1986.

12 – SILVA, L.A.F.; RABELO, R.E.; GODOY, R.F.; SILVA, O.C.; FRANCO, L.G.; COELHO, C.M.M.; CARDOSO, L.L. Estudo retrospectivo de fimose traumática em equinos e tratamento utilizando a técnica de circuncisão com encurtamento de pênis (1982-2007). Ciência Rural, v.40, p.123-129, 2007.

13 – KNIGHT, C.G.; MUNDAY, J.S.; PETERS, J.; DUNOWSKA, M. Equine penile squamous cell carcinomas are associated with the presence of equine papillomavirus type 2 DNA sequences. Veterinary Pathology Online, v.48, p.1190-1194, 2011.

14 – VAN DEN TOP, J.G.B.; HEER, N.; KLEIN, W.R.; ENSINK, J.M. Penile and preputial squamous cell carcinoma in the horse: A retrospective study of treatment of 77 affected horses. Equine Veterinary Journal, v.40, p.533-537, 2008.

15 – SAMPER, J.C. Equine Breeding Management and Artificial Insemination – Philadelphia, USA: W.B. Saunders, 2nd ed, p.336, 2009.

16 – BRINSKO, S.P. Neoplasia of the male reproductive tract. Veterinary Clinics of North America: Equine Practice, v.14, p.517-533, 1998.

17 – ASHDOWN, R.R.; HAFEZ, E.S.E. Anatomia da reprodução masculina. In: HAFEZ, E.S.E. Reprodução Animal, 6ª ed., editora manole, cap.1, p.3-20, 1995.

18 – AMANN, R.P. Functional anatomy of the adult male. In: McKINNON, A.O.; SQUIRES, E.L.; VAALA, W.E.; VARNER, D.D. Equine Reproduction, 2nd ed. Wiley-Blackwell, 2011, cap.95, p.867-880.

19 – BEARD, W. Abnormalities of the testicles. In: McKINNON, A.O.; SQUIRES, E.L.; VAALA, W.E.; VARNER, D.D. Equine Reproduction, 2nd ed. Wiley-Blackwell, 2011, cap.112, p.1161-1165.

20 – MACPHERSON, M.L. How to evaluate semen in the field. Proceeding of the 47th American Association of Equine Practitioners Annual Convention, San Diego – California, v.47, 2001, p.412-416.

21 – FERNANDES, C.E.; PIMENTEL, C.A. Características seminais e fertilidade em garanhões. Ciência Rural, v.32, p.829-834, 2002.

22 – COLÉGIO BRASILEIRO DE REPRODUÇÃO ANIMAL – CBRA. Manual para exame andrológico e avaliação de sêmen animal: manual de orientação. 3. ed. Belo Horizonte, MG, 2013. 104 p.

23 – KENNEY, R.; HURTGEN, J.; PIERSON, R.; WITHERSPOON, D.; SIMNS, J. Society for Theriogenology manual for clinical fertility evaluation of the stallion. Society for Theriogenology, 1983.

24 – BRITO, L.F.C.; GREENE, L.M.; KELLEMAN, A.; KNOBBE, M.; TURNER, R. Effect of method and clinician on stallion sperm morphology evaluation. Theriogenology, v.76, p.745-750, 2011.

25 – BRITO, L.F.; KELLEMAN, A.; GREENE, L.M.; RAZ, T.; BARTH, A.D. Semen characteristics in a sub-fertile Arabian stallion with idiopathic teratospermia. Reproduction in Domestic Animals, v.45, p.354-358, 2010.

26 – BRAZIL, C. Practical semen analysis: from A to Z. Asian Journal of Andrology, v.12, p.14-20, 2010.

você pode gostar também

Pular para a barra de ferramentas